O setor da Logística no pós-pandemia

O setor da Logística no pós-pandemia

Quando, no ano passado, a situação obrigava a que ficássemos em casa, e todos sentíamos medo desta situação sem paralelo, foi necessário para a LS manter centros de distribuição com milhares de operadores a funcionar, e milhares de camiões e motoristas na estrada a distribuir, correndo riscos em todos os momentos, mas sempre com o máximo cuidado quanto à saúde e segurança. 

O presente e o futuro da Rede Ferroviária Nacional com o PFN

O presente e o futuro da Rede Ferroviária Nacional com o PFN

- Artigo de Opinião - António Nabo Martins

Respondendo ao desafio lançado pela ADFERSIT em que nos foi pedido para enumerar as expetativas que têm os Transitários Portugueses com o PFN e como se posiciona a APAT enquanto associação nacional que que possui legitimidade para filiar e representar as empresas que se dedicam à atividade transitária, entendida esta como a planificação e organização das operações relativas ao transporte internacional de mercadorias, atividades logísticas complementares e sua distribuição, relativamente ao mesmo. 

A Segunda Vida da Linha da Beira Baixa

A Segunda Vida da Linha da Beira Baixa

No passado dia 4 de maio, o troço da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e a Guarda foi oficialmente inaugurado.

Foi um momento de celebração, que assinalou a reabertura à circulação de passageiros e o início da segunda vida deste tão importante troço ferroviário. Mais do que a simples inauguração de uma infraestrutura, estamos perante um novo capítulo para a mobilidade nesta região. Um capítulo que se pode resumir em três palavras: oportunidade, conectividade e esperança

Portugal na Linha da Frente na Digitalização

Portugal na Linha da Frente na Digitalização

A transição digital é atualmente um dos pilares dos principais instrumentos de gestão europeus e nacionais.

É uma das seis prioridades da atual Comissão Europeia, no sentido desta transição criar benefícios tanto para as pessoas como para as empresas e contribuir simultaneamente para que a UE possa alcançar o seu objetivo de uma Europa com um impacto neutro no clima até 2050. 

Porque precisamos de um Plano Ferroviário Nacional

Porque precisamos de um Plano Ferroviário Nacional

«No passado dia 19 de Abril, numa sessão pública no LNEC, iniciámos o processo que permitirá dotar o país de um Plano Ferroviário Nacional. Neste arranque de trabalhos, importa explorar um pouco as motivações para esta iniciativa. Afinal, para que precisa o país de um Plano Ferroviário Nacional?
Irei explorar apenas duas importantes razões.
(...)
»

TML?

TML?

Quando fui desafiado para falar sobre a TML - Transportes Metropolitanos de Lisboa, debati-me com uma dúvida de base. Será que as pessoas sabem efetivamente o que é a TML? Julgando que a resposta a esta pergunta é negativa, optei por aproveitar este artigo para explicitar o que é a TML e a que se propõe, na certeza que existirão outras oportunidades de falar sobre projetos concretos, quando a TML tiver ganho o seu espaço por direito próprio e em consequência da sua ação.

A nova Rede Ferroviária

A nova Rede Ferroviária

O conhecimento de qual a Rede Ferroviária que se pretende construir é, em meu entender e de há muito a esta parte, essencial, como ponto de partida para qualquer discussão séria sobre esta matéria.
Esta Rede Ferroviária Nacional deverá ser definida de acordo com a procura da sua máxima eficiência, considerando as Sinergias Operativas do modo ferroviário, (...)

Aeroporto de Lisboa. Pessoas de bem, perguntas de mal.

Aeroporto de Lisboa. Pessoas de bem, perguntas de mal.

É extraordinário como a discussão sobre o aeroporto de Lisboa consegue ser sistematicamente retomada, quase sempre pelos mesmos protagonistas, sem que se chegue a alguma conclusão e, pior ainda, enviesando sempre o que deveria ser a correta perceção do problema. Será que é isso mesmo que se pretende, agitar apenas para criar entropia, distrair de outros assuntos mais graves ou criar impactes que nada têm a ver com o transporte aéreo?

40 anos de distância: um sonho intergeracional

40 anos de distância: um sonho intergeracional

A 26 de fevereiro de 2021, Ano Europeu da Ferrovia, comemoram-se os 40 anos do recorde de velocidade sobre carris - 380 km/h - que a Société nationale des chemins de fer français (SNCF) atingiu na linha Paris-Lyon com o seu Train à Grande Vitesse (TGV). Esse marco histórico reforçou um caminho iniciado em Itália, para inúmeras infraestruturas que vieram permitir serviços de alta velocidade ferroviária na Europa.

CCF - CENTRO DE COMPETÊNCIAS FERROVIÁRIO

CCF - CENTRO DE COMPETÊNCIAS FERROVIÁRIO

Nascida a ideia, no seio de uma consciência coletiva na Plataforma Ferroviária Portuguesa, Cluster da Ferrovia, que este era um elemento fundamental para agregar, desenvolver e concretizar a visão da PFP, em “tornar Portugal numa referência internacional no setor ferroviário e local privilegiado para o desenvolvimento de projetos de Investigação, Desenvolvimento e Inovação”, cedo se tornou claro, que havia que agregar esforços, competências e perseverança, muita perseverança para se chegar à sua concretização.

ANO EUROPEU DA FERROVIA

ANO EUROPEU DA FERROVIA

O Conselho e o Parlamento Europeus deliberaram no final de 2020, e por acordo informal, designar este novo ano de 2021 como o Ano Europeu da Ferrovia com o objectivo de introduzir um novo e consequente impulso de consciência da pertinência e valor desta indústria e modo de transporte, junto da sociedade em geral e dos utilizadores e contribuintes em particular.

NOVAS LINHAS FERROVIÁRIAS. QUE BITOLA?

NOVAS LINHAS FERROVIÁRIAS. QUE BITOLA?

Como administrador da CP responsável pelos primeiros estudos de novas linhas de alta velocidade e bitola europeia, realizados há três décadas, (Lisboa – Porto, Lisboa – Badajoz e Porto – Valladolid), como membro do primeiro conselho de administração da RAVE e como fundador e, várias vezes presidente da Direção, da ADFER, sinto ser meu dever pronunciar-me sobre os novos eixos ferroviários que o País parece, finalmente, querer construir.

Do “Moonshot” ao “Earthshot”: A inovação no sector dos Transportes

Do “Moonshot” ao “Earthshot”: A inovação no sector dos Transportes

A inovação na área dos transportes e da mobilidade tem sido nos últimos 100 anos uma das maiores forças de mudança da nossa história. Em 2017 tive o gosto de conhecer o famoso astronauta Buzz Aldrin, o segundo homem a pisar a superfície da lua (19 minutos depois de Neil Armstrong) naquele dia 20 de Julho de 1969. Buzz Aldrin contou-me uma história que nunca esquecerei; o seu pai Edward Aldrin tinha estado presente quando os Wright Brothers fizeram o primeiro voo em Kitty Hawk em 1903. Foi essa presença do seu pai que o inspirou e que o levou a seguir carreira de astronauta. 

Carta dirigida à Comissária Europeia dos Transportes - resposta

Carta dirigida à Comissária Europeia dos Transportes - resposta

No passado 13 de Agosto, reconhecendo a pertinência do assunto, a ADFERSIT publicou como “Artigo de Opinião” uma carta dirigida por um grupo de Empresários, Professores Universitários e Técnicos, à Comissária Europeia dos Transportes Adina Valean, sob o título “Risco de isolamento da economia portuguesa - pedido de informação sobre a componente ferroviária das TEN-T em Portugal”.

Carta dirigida à Comissária Europeia dos Transportes

Carta dirigida à Comissária Europeia dos Transportes

A ADFERSIT congratula se com a iniciativa e considera de grande pertinência a carta dirigida, por um grupo de Empresários, Professores Universitários e Técnicos, à Comissária Europeia dos Transportes Adina Valean, acerca do “Risco de isolamento da economia portuguesa - pedido de informação sobre a componente ferroviária das TEN-T em Portugal”, pelo que se associa à sua divulgação, publicando-a no seu SITE como Artigo de Opinião.

A PERTINÊNCIA DO PLANO FERROVIÁRIO NACIONAL

A PERTINÊNCIA DO PLANO FERROVIÁRIO NACIONAL

O Conselho Superior de Obras Publicas acaba de produzir o Parecer, requerido por despacho ministerial, sobre os programas de projectos de investimento contidos na proposta global do Plano Nacional de Investimentos – PNI2030 previamente apresentado publicamente na Assembleia da República e que envolve quatro áreas temáticas: (i) Transportes e Mobilidade, (ii) Ambiente; (iii) Energia e (iv) Regadio.

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E SAÚDE

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E SAÚDE

No projecto “Sustainable Mobility for All” desenvolvido em 2017 no âmbito e na sequência da aprovação pelas Nações Unidas, em Setembro de 2015, dos Objectivos do Desenvolvimento Sustentável, foram definidos os quatro eixos fundamentais para uma Mobilidade Sustentável: Acesso Universal, Eficiência, Segurança e Ambiente.
Estes quatro grandes eixos apontam, no essencial, para o objectivo central dos transportes (os vários modos de transporte – aéreo, marítimo, ferroviário e rodoviário) garantirem uma mobilidade acessível a todas as pessoas (...)