Angola dá o primeiro passo para criar rede ferroviária nacional

Angola dá o primeiro passo para criar rede ferroviária nacional

Os atuais Caminhos de Ferro de Luanda, Benguela e Moçâmedes vão ser geridos por uma única empresa ferroviária. Objetivo é criar uma rede, ligando as três linhas por um corredor vertical.
As concessões de serviços ferroviários de passageiros e mercadorias poderão ser uma oportunidade para Portugal, que tem um patamar tecnológico muito próximo da realidade angolana.

Descidas na eficiência de portos, ferrovia e transporte aéreo, levam Portugal a perder competitividade

Descidas na eficiência de portos, ferrovia e transporte aéreo, levam Portugal a perder competitividade

As conclusões estão patentes no mais recente documento ‘Relatório Global da Competitividade 2019’, do Fórum Económico Mundial (sigla WEF): Portugal perdeu – em termos homólogos – competitividade na liga das infra-estruturas, tudo por causa das descidas do grau de eficiência verificadas nos portos, na ferrovia e no transporte aéreo. Apenas a rodovia manteve um registo similar ao do ano passado.

Maior conectividade interna: COSCO vai duplicar a capacidade do terminal ferroviário de Saragoça

Maior conectividade interna: COSCO vai duplicar a capacidade do terminal ferroviário de Saragoça

A chinesa COSCO revelou que continua a encarar com prioridade a estratégia de aprofundamento das actividades de logística no interior de Espanha, a fim de adensar a conectividade dos seus terminais portuários com o resto da Península Ibérica. No epicentro do plano da COSCO está o terminal ferroviário de Saragoça.


Moçambique terá um novo corredor logístico dentro de três anos e meio

Moçambique terá um novo corredor logístico dentro de três anos e meio

Um novo corredor logístico está prestes a nascer em Moçambique, mais precisamente no centro do país: os trabalhos de construção (avaliados em 3 milhões de euros) estão prestes a arrancar, tendo como grande objectivo o fomento da produção nacional e a criação de um porto preferencial para o Malawi e Zâmbia.

Assinado no passado dia 11 de setembro o Pacto Setorial para a Ferrovia integrado nos Cluster de Competitividade e Internacionalização

Assinado no passado dia 11 de setembro o Pacto Setorial para a Ferrovia integrado nos Cluster de Competitividade e Internacionalização

A celebração deste Pacto Setorial reveste-se de grande relevância, pois significa, por um lado, o reconhecimento do papel do Cluster da Ferrovia e das entidades pertencentes à sua cadeia de valor na discussão do futuro da Ferrovia, nomeadamente Empresas, Associações e Universidades do Sistema Nacional de Investigação e Inovação e, por outro, o valor das suas ideias e contribuições aqui expressas e formalizadas.