FERROVIA: QUE FUTURO?

FERROVIA: QUE FUTURO?

Creio existir actualmente um largo consenso em relação à rede ferroviária nacional: está desajustada às necessidades do País, sendo incapaz de fazer face às exigências da procura existente e potencial.

Resumindo, é um travão ao desenvolvimento da economia portuguesa.
O porquê é conhecido e reconhecido por todos: há décadas que o País não investe na rede. Ressalvando alguns troços, a rede de hoje é quase a mesma e quase nas mesmas condições de há 60 anos. 

Assinado no passado dia 11 de setembro o Pacto Setorial para a Ferrovia integrado nos Cluster de Competitividade e Internacionalização

Assinado no passado dia 11 de setembro o Pacto Setorial para a Ferrovia integrado nos Cluster de Competitividade e Internacionalização

A celebração deste Pacto Setorial reveste-se de grande relevância, pois significa, por um lado, o reconhecimento do papel do Cluster da Ferrovia e das entidades pertencentes à sua cadeia de valor na discussão do futuro da Ferrovia, nomeadamente Empresas, Associações e Universidades do Sistema Nacional de Investigação e Inovação e, por outro, o valor das suas ideias e contribuições aqui expressas e formalizadas.


Ministro das Infra-estruturas revela ambição de «ligar Lisboa e Porto à maior velocidade possível»

Ministro das Infra-estruturas revela ambição de «ligar Lisboa e Porto à maior velocidade possível»

O Ministro das Infra-estruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, concedeu, no passado dia 9 de Setembro, uma entrevista ao programa ‘Tudo é Economia’, da RTP3, e abordou um dos temas quentes da cena política portuguesa: o TGV, que voltou à ordem do dia pela boca de Rui Rio. O reparo do candidato do PSD até mereceu resposta por parte do Primeiro-Ministro, António Costa. Pedro Nuno Santos também não fugiu ao tema.

Foi consignada a empreitada de construção do troço ferroviário Freixo - Alandroal na Linha de Évora

Foi consignada a empreitada de construção do troço ferroviário Freixo - Alandroal na Linha de Évora

A nova Linha de Évora é composta por três troços: Évora Norte/Freixo, Freixo/Alandroal e Alandroal/Linha do Leste. A Linha terá uma extensão total de cerca de 100 quilómetros, 80 dos quais de construção nova em via única Eletrificada (25 kV-50 Hz) sobre plataforma para via dupla, balastrada com carril UIC60 e travessa de betão polivalente (preparada para receber a bitola europeia).