Ferrovia com investimento «sem precedentes» almeja maior conectividade e «integração ibérica»

Ferrovia com investimento «sem precedentes» almeja maior conectividade e «integração ibérica»

Durante o seu discurso, que marcou o primeiro dia do 14º Congresso da ADFERSIT, Jorge Delgado, Secretário de Estado das Infra-estruturas, salientou que, em conjunto, o Plano de Resiliência e o Plano Nacional de Investimentos (PNI 2030) farão «face aos desafios e necessidades da próxima década». Serão alocados 42 mil milhões de euros ao sector dos Transportes e da Mobilidade, com a ferrovia a absorver um investimento «sem precedentes», vincou Jorge Delgado. A coesão territorial, a interoperabilidade e a «integração ibérica» são prioridades.

Nota da Direção PNI 2030

Nota da Direção PNI 2030

É com enorme satisfação que hoje procedemos a mais uma atualização semanal do site da ADFERSIT.

Iniciado há precisamente há 1 ano, a sua redinamização tem permitido, ao longo deste ainda curto período de tempo, divulgar as posições da ADFERSIT sobre assuntos da atualidade que afetam o setor da Mobilidade e Transportes, publicar Artigos de Opinião por conhecidos técnicos e personalidades ligadas ao setor.

Hoje, a publicação do Parecer do Conselho Superior de Obras Públicas (CSOP) sobre o Plano Nacional de Investimentos – PNI 2030, que evidencia com especial relevo as importantes áreas da Mobilidade Sustentável e Transportes Públicos, da Ferrovia, da Rodovia e das áreas Marítimo-Portuária e Aeroportuária, permite-nos dar a conhecer aos nossos Associados e aos leitores do site da ADFERSIT, o texto completo do Relatório Técnico de Avaliação do Programa de Investimentos PNI 2030 - FERROVIA, cujo Sumário Executivo já havia sido aqui divulgado em Janeiro do corrente ano.

A PERTINÊNCIA DO PLANO FERROVIÁRIO NACIONAL

A PERTINÊNCIA DO PLANO FERROVIÁRIO NACIONAL

O Conselho Superior de Obras Publicas acaba de produzir o Parecer, requerido por despacho ministerial, sobre os programas de projectos de investimento contidos na proposta global do Plano Nacional de Investimentos – PNI2030 previamente apresentado publicamente na Assembleia da República e que envolve quatro áreas temáticas: (i) Transportes e Mobilidade, (ii) Ambiente; (iii) Energia e (iv) Regadio.

Governo discutiu infra-estruturas com Câmara Municipal de Sines, IP, APS, AICEP e PSA Sines

Governo discutiu infra-estruturas com Câmara Municipal de Sines, IP, APS, AICEP e PSA Sines

A reunião do presidente da Câmara Municipal de Sines com os membros do Governo contou com a presença de três secretários de Estado: Eurico Brilhante Dias (Internacionalização); Alberto Souto de Miranda (Adjunto e das Comunicações, que tutela o sistema portuário); e Jorge Delgado (pasta das Infra-estruturas). A reunião teve ainda a presença do vice-presidente das Infra-estruturas de Portugal (IP), dos presidentes da Administração do Porto de Sines (APS) e da AICEP Global Parques (gestora da Zona Industrial e Logística de Sines), José Luís Cacho e Filipe Costa, respectivamente.

Ligação Sines-Grândola prioritária: projecto do PNI 2030 deverá ser antecipado para 2021-2025

Ligação Sines-Grândola prioritária: projecto do PNI 2030 deverá ser antecipado para 2021-2025

Esta linha, especializada no tráfego ferroviário de mercadorias, permite diminuir a distância entre o porto atlântico e o Centro e Norte de Portugal, bem como a ligação a Espanha, tendo ainda a vantagem de contornar o problema da orografia da serra de Santiago de Cacém (por onde passa a actual linha Sines – Ermidas) cortando significativamente os custos de tracção e permitindo um aumento do volume das cargas movimentadas.

UMA AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PNI 2030 – FERROVIA

UMA AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PNI 2030 – FERROVIA

A análise e avaliação dos programas dos investimentos ferroviários propostos no PNI 2030 foi realizada no âmbito do apoio de consultoria prestado ao Conselho Superior de Obras publicas (CSOP) e teve como principal objectivo clarificar e densificar a identificação e caracterização dos investimentos a realizar na rede ferroviária nacional (RFN) e aferir da sua consistência, robustez e impacto na economia, na mobilidade, no ambiente e na coesão territorial.