O presente e o futuro da Rede Ferroviária Nacional com o PFN

O presente e o futuro da Rede Ferroviária Nacional com o PFN

- Artigo de Opinião - António Nabo Martins

Respondendo ao desafio lançado pela ADFERSIT em que nos foi pedido para enumerar as expetativas que têm os Transitários Portugueses com o PFN e como se posiciona a APAT enquanto associação nacional que que possui legitimidade para filiar e representar as empresas que se dedicam à atividade transitária, entendida esta como a planificação e organização das operações relativas ao transporte internacional de mercadorias, atividades logísticas complementares e sua distribuição, relativamente ao mesmo. 

NOVAS LINHAS FERROVIÁRIAS. QUE BITOLA?

NOVAS LINHAS FERROVIÁRIAS. QUE BITOLA?

Como administrador da CP responsável pelos primeiros estudos de novas linhas de alta velocidade e bitola europeia, realizados há três décadas, (Lisboa – Porto, Lisboa – Badajoz e Porto – Valladolid), como membro do primeiro conselho de administração da RAVE e como fundador e, várias vezes presidente da Direção, da ADFER, sinto ser meu dever pronunciar-me sobre os novos eixos ferroviários que o País parece, finalmente, querer construir.

A PERTINÊNCIA DO PLANO FERROVIÁRIO NACIONAL

A PERTINÊNCIA DO PLANO FERROVIÁRIO NACIONAL

O Conselho Superior de Obras Publicas acaba de produzir o Parecer, requerido por despacho ministerial, sobre os programas de projectos de investimento contidos na proposta global do Plano Nacional de Investimentos – PNI2030 previamente apresentado publicamente na Assembleia da República e que envolve quatro áreas temáticas: (i) Transportes e Mobilidade, (ii) Ambiente; (iii) Energia e (iv) Regadio.

UMA AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PNI 2030 – FERROVIA

UMA AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS DO PNI 2030 – FERROVIA

A análise e avaliação dos programas dos investimentos ferroviários propostos no PNI 2030 foi realizada no âmbito do apoio de consultoria prestado ao Conselho Superior de Obras publicas (CSOP) e teve como principal objectivo clarificar e densificar a identificação e caracterização dos investimentos a realizar na rede ferroviária nacional (RFN) e aferir da sua consistência, robustez e impacto na economia, na mobilidade, no ambiente e na coesão territorial.